sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Vamos falar sobre... o Grande Conflito

É de suma importância entender que o grande conflito entre Cristo e Satanás, não é uma vaga história fictícia ou uma bela utopia montada para conter a promiscuidade ou a violência. O grande conflito é real, e ao longo dos anos têm extraído dos seres humanos suas mais íntimas decisões no que tange a redenção eterna ou perdição eterna.
“Necessitamos entender mais claramente, o que está em jogo no grande conflito em que nos achamos empenhados. Precisamos compreender com mais plenitude, o valor das verdades da Palavra de Deus, e o perigo de permitir que nosso espírito seja delas desviado pelo grande enganador.” (A Ciência do Bom Viver, p. 451)
As coisas da vida, as ideologias, sonhos e realizações que tanto nos enche os olhos, nos fazem não levar muito a sério o enredo espiritual que dramaticamente nos envolve. As ambições muito bem arquitetadas por Satanás, revestidas de beleza e significado, nos faz elaborar boas justificativas para desacreditar em Deus ou nos fazer distanciar dEle.
"Muitos há que não consideram esse conflito entre Cristo e Satanás como tendo relação especial com sua própria vida; pouco interesse tem para eles. Mas, essa luta repete-se nos domínios de cada coração." (O Desejado de Todas as Nações, p. 116)
A guerra neste planeta está em curso. Anjos estão se movimentando por todos os lados e nossa mente é o centro ou campo desta grande batalha. Se não estivermos atentos e se não vigiarmos as avenidas da alma (sentidos), seremos frágeis, nos tornando prezas fáceis nas mãos dos nossos inimigos: as potestades do inferno.
"Agentes satânicos sob forma humana tomarão parte neste último grande conflito, para opor-se à edificação do reino de Deus. Anjos celestiais em aparência humana também estarão no campo de ação. Os dois partidos antagônicos prosseguirão existindo até o encerramento do último grande capítulo da história deste mundo. Satanás utilizará cada oportunidade para induzir os homens a apartar-se de seu concerto com Deus. Ele e os anjos que com ele caíram aparecerão na Terra como homens, procurando enganar. Os anjos de Deus igualmente aparecerão como homens, e farão uso de todos os meios em seu poder para derrotar os propósitos do inimigo. Temos uma parte a desempenhar." (A Verdade Sobre os Anjos, p. 261)
Foi em Ohio, num funeral realizado numa tarde de domingo, em março de 1858, na escola pública de Lovett’s Grove (agora Bowling Green), que foi dada à Ellen G. White a visão do grande conflito entre Cristo e seus anjos e Satanás e seus anjos, desde seu início até ao fim. Dois dias mais tarde o grande adversário tentou tirar-lhe a vida, para que ela não pudesse apresentar aos outros o que lhe fora revelado (leia mais aqui). Mantida contudo por Deus, na realização da obra que lhe fora confiada, descreveu as cenas que lhe haviam sido apresentadas, sendo publicadas no verão de 1858 o livro de 209 páginas Spiritual Gifts, v. 1, The Great Controversy Between Christ and His Angels, and Satan and His Angels. O volume foi bem recebido e grandemente apreciado devido à sua clara descrição das forças contendoras no grande conflito, tocando em pontos árduos da luta, mas tratando mais completamente das cenas finais da história da Terra (Primeiros Escritos, pp. 133-295).
"O estudante da Bíblia deve aprender a ver a Palavra como um todo, e bem assim a relação de suas partes. Deve obter conhecimento de seu grandioso tema central, do propósito original de Deus em relação a este mundo, da origem do grande conflito, e da obra da redenção. Deve compreender a natureza dos dois princípios que contendem pela supremacia, e aprender a delinear sua operação através dos relatos da história e da profecia, até à grande consumação. Deve enxergar como esse conflito penetra em todos os aspectos da experiência humana; como em cada ato de sua vida ele mesmo revela um ou outro daqueles dois princípios antagônicos; e como, querendo ou não, ele está mesmo agora a decidir de que lado do conflito estará.” (Educação, p. 190)
Com seu ponto focal no caráter de Deus como expresso na lei, esse conflito provê uma moldura teológica para as contínuas disputas entre a verdade e o erro, entre “os que guardam os mandamentos de Deus” e os que adoram “a besta e a sua imagem” (Ap 12:17; 14:9-12). Nessa disputa, Satanás levou muitos cristãos a crer “que a lei dos Dez Mandamentos também havia morrido com Cristo” na cruz (Primeiros Escritos, p. 215), e que “as reivindicações de Cristo são menos estritas do que uma vez creram” (Testemunhos Para Ministros, p. 474). Em realidade, “Satanás quer que todo transgressor da lei de Deus pretenda ser santo” (Evangelismo, p. 597). A moldura do grande conflito não provê nenhum espaço para compreensões ecumênicas e/ou pluralistas das verdades bíblicas.

Como disse Clifford Goldstein: "Vivemos em um mundo onde o bem e o mal, o certo e o errado, lutam pela supremacia. Há apenas dois lados nesse grande conflito espiritual. De que lado estamos? Esta é uma escolha de consequências eternas, porque a vida e a morte são, literalmente, eternas."

Assista abaixo o estudo bíblico O Grande Conflito com dezoito lições da Bíblia, prático e fácil de entender, apresentado pelo pastor Luís Gonçalves:

Igreja Adventista celebra 190 anos do nascimento de Ellen White

A Igreja Adventista celebra neste domingo o aniversário de nascimento de Ellen G. White
Infância e adolescência 
Ellen Gould Harmon nasceu na cidade de Gorham, estado do Maine, localizado no nordeste dos Estados Unidos, no dia 26 de novembro de 1827. Seus pais se chamavam Robert e Eunice Harmon, e Ellen e a irmã gêmea Elizabeth eram as mais novas de uma família com oito filhos.Sua educação formal foi interrompida quando ela tinha apenas nove anos de idade, por causa de um incidente que quase lhe custou a vida. No início da adolescência, Ellen e sua família aceitaram as interpretações bíblicas apresentadas pelo pregador batista Guilherme Miller. Juntamente com Miller e outras 50 mil pessoas, ela passou pelo que ficou conhecido como “Grande Desapontamento”, pois esperavam a volta de Jesus no dia 22 de outubro de 1844, a data correspondente ao fim da profecia dos 2.300 dias de Daniel 8.

Chamada por Deus
Em dezembro de 1844, Deus concedeu a Ellen a primeira de um total de cerca de 2 mil visões e sonhos proféticos. Em agosto de 1846, Ellen casou com Tiago White, um pastor com 25 anos de idade que partilhava da mesma convicção de que Ellen fora chamada por Deus para realizar a obra de um profeta. Pouco tempo depois, Ellen e Tiago passaram a guardar o sábado como o dia de descanso ordenado por Deus, de acordo com o quarto mandamento.

Família
Como mãe de quatro filhos, Ellen experimentou a dor de perder dois deles. Herbert morreu com poucas semanas de vida e Henry com 16 anos. Os outros dois filhos, Edson e William, se tornaram pastores adventistas.

Os escritos
Durante sua vida, escreveu mais de 5 mil artigos e 49 livros. Após sua morte, mais de 70 obras foram compiladas e publicadas com textos ainda inéditos em sua maioria. Mais de 150 livros estão disponíveis em inglês, e cerca de 110 em português. Ellen G. White é a escritora mais traduzida em toda a história da literatura. Seus escritos abrangem uma ampla variedade de temas, incluindo religião, educação, saúde, relações sociais, administração, música e liderança. Seu best-seller sobre vida cristã, Caminho a Cristo, já foi publicado em mais de 150 idiomas. (Acesse aqui sua obra)

Comunicadora
Apesar de certa relutância e timidez inicial, Ellen White se tornou uma comunicadora bem conhecida nos Estados Unidos, na Europa e na Austrália. Ela era convidada a falar não apenas em reuniões adventistas, mas também para o público em geral. Era muito requisitada principalmente para falar sobre temperança. Em 1876, ela falou para seu maior auditório – estimado em 20 mil pessoas – em Groveland, Massachusetts, durante mais de uma hora, e naquele tempo não havia microfone.

A mensagem de saúde
Em sua visão de 6 de junho de 1863, Ellen White recebeu instruções sobre assuntos relacionados à saúde, como o uso de drogas, tabaco, chá, café, alimentos de origem animal e a importância de atividades físicas, luz solar, ar puro e regime alimentar equilibrado. Seus conselhos sobre saúde, fundamentados nessa e nas demais visões, têm ajudado os adventistas a desenvolver um estilo de vida que lhes dá em média sete anos a mais de longevidade do que as pessoas em geral.

Leitora voraz
Ellen White lia muito. Ela descobriu que ler outros autores não apenas solidificava sua cultura, mas também a ajudava a apresentar em seus escritos os princípios da verdade a ela revelados em visão. Além disso, às vezes, o Espírito Santo a impressionava a citar em seus artigos ou livros verdadeiras joias literárias extraídas de outros autores. Ela jamais se considerou infalível nem colocava seus escritos em nível de igualdade com a Bíblia, mas cria firmemente que suas visões tinham origem divina e que seus artigos e livros eram produzidos sob a direção do Espírito de Deus. Evangelista por natureza, sua principal preocupação era a salvação das pessoas.

Generosidade
Ellen White era extremamente generosa e dava bom exemplo de cristianismo prático. Durante anos, ela mantinha em casa pedaços de tecido para fornecer a alguma mulher que estivesse necessitando de pano para fazer um vestido. Em Battle Creek (onde morava), ia a leilões para comprar móveis usados, que ela guardava para doar a vítimas de calamidades, como incêndios. Numa época em que ainda não existiam planos de aposentadoria, sempre que ouvia falar de algum pastor idoso que estava precisando de ajuda financeira, ela não hesitava em lhe enviar algum dinheiro, a fim de socorrê-lo naquela emergência.

Sua obra
Ellen White faleceu no dia 16 de julho de 1915. Durante 70 anos, ela apresentou fielmente as mensagens que Deus lhe confiou para Seu povo. Ela jamais foi eleita para alguma função administrativa na igreja, mas seus conselhos eram sempre ouvidos pelos líderes denominacionais. Suas mensagens colocaram em ação as forças que resultaram no amplo sistema educacional adventista, presente em todo o mundo, desde creches até universidades. Embora ela nunca tenha feito cursos na área de saúde, os resultados de seu ministério são notáveis na rede de hospitais adventistas, clínicas e outras instituições médicas presentes em todo o mundo. Ela não foi formalmente ordenada para a atividade pastoral, mas sua obra causou um impacto espiritual sem precedentes na vida de milhões.

Influência permanente
Em novembro de 2014, Ellen G. White foi incluída em uma lista com os nomes dos 100 norte-americanos mais influentes de todos os tempos. A listagem é um trabalho da Smithsonian Magazine. Ainda hoje, os livros de Ellen White continuam a ajudar as pessoas a encontrar o Salvador, aceitar Seu perdão, partilhar essas bênçãos com os outros e viver na expectativa do cumprimento da promessa do breve retorno de Cristo.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Hoje é Dia de Ação de Graças - Thanksgiving Day

Donald Trump 'perdoa' peru nesta terça-feira (21) em cerimônia na Casa Branca (Foto: Carlos Barria/Reuters)
O Dia de Ação de Graças, conhecido em inglês como Thanksgiving Day, é comemorado nos Estados Unidos na quarta quinta-feira do mês de novembro e sua celebração talvez seja mais significativa que o Natal. É observado como um dia de gratidão a Deus, com orações e festas, pelos bons acontecimentos ocorridos durante o ano. A festa tem suas raízes nos primeiros anos da colonização europeia na América do Norte, quando os europeus recém-chegados tinham a tradição de dar graças a Deus pela abundância da colheita e ajuda recebida por parte dos índios.

Em seu primeiro ano na Casa Branca, o presidente Donald Trump participou da tradicional cerimônia de 'perdão' a um peru antes do Dia de Ação de Graças. A tradição, lançada pelo presidente George H. W. Bush, indica que na véspera da celebração o presidente americano deve perdoar a vida de um peru. Histórias de perus poupados remontem à época da presidência de Abraham Lincoln. No dia de Ação de Graças, famílias se reúnem para jantar um peru assado.

O pastor Mark Finley nos deixou esta bela meditação sobre a origem e o significado deste dia:
"A bênção do Senhor enriquece, e, com ela, Ele não traz desgosto." (Provérbios 10:22)
Os peregrinos celebraram o primeiro Dia de Ação de Graças americano durante o segundo inverno que passaram no Novo Mundo. A bem da verdade, foi um Dia de Ação de Graças estranho, pois não havia muito pelo que ser grato. Aquele primeiro e tenebroso inverno havia matado quase metade dos membros da colônia de Plymouth. Mas uma nova esperança nasceu no verão de 1621. 

Uma abundante colheita de milho trouxe muita alegria. O governador William Bradford decretou que um dia fosse separado para festejos e oração para mostrar o agradecimento dos colonos por ainda estarem vivos. As mulheres da colônia passaram dias preparando-se para a festa. Elas cozinharam e assaram muita comida. Na hora de uma tragédia nacional, os colonos olharam para o que tinham, não para o que haviam perdido. Embora chorassem a perda dos entes queridos, sua fé os levou a alegrarem-se na maravilhosa bondade de Deus.

O Dia de Ação de Graças aponta para as coisas boas que temos. Ele eleva-nos acima de nossas perdas. Ele fala-nos de um Deus que supre nossas necessidades. Ele traz a alegria pelas bênçãos que Deus nos deu. Não é meramente um dia; é um estado mental. Não é um evento anual; é uma atitude diária. Praticar ações de graça o dia todo faz diferença. Uma atitude de gratidão ou de ação de graça transforma o estresse danoso à saúde em uma alegria que transforma a vida.

A autora motivacional Melody Beattie escreve: 
"A gratidão abre-nos para a plenitude da vida. Ela transforma o que temos em algo suficiente e até mais que suficiente. Ela transforma a negação em aceitação, o caos em ordem, a confusão em clareza. Ela pode transformar uma refeição em um banquete, a casa em um lar, um estranho em um amigo. A gratidão dá sentido ao nosso passado, traz paz para hoje e cria uma visão para o amanhã."
O coração agradecido vê a vida através de novos olhos. Em vez de queixar-se pelo que falta, o coração agradecido celebra o que tem. Por que não fazer uma lista das bênçãos que Deus lhe deu? Escreva 10 coisas pelas quais você é agradecido. A leitura o deixará mais agradecido do que antes.
"Creio que temos algo por que agradecer a Deus. Devemos sentir-nos alegres e jubilosos em Deus, pois Ele nos tem concedido muitas bênçãos. […] Necessitamos que este Dia de Ação de Graças seja tudo que ele implica. Não permitamos seja ele pervertido, misturado com escória; seja o que o nome indica: ação de graças. Que nossas vozes ascendam em louvor. [...] Nosso Dia de Ação de Graças pode ser feito uma ocasião muito proveitosa a nossa própria alma bem como a outros, se aproveitarmos esta oportunidade para lembrar os pobres entre nós. Se se faz uma festa, seja-o em benefício dos necessitados."
(Ellen G. White - Review and Herald, 23/12/1884)

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Leonardo Gonçalves anuncia retorno com show em São Paulo

Está marcado para o dia 2 dezembro, em um concerto no Tom Brasil, em São Paulo, o retorno do cantor Leonardo Gonçalves que por mais de um ano ficou em um período sabático. 

Dono de uma das mais belas vozes do gospel, Leonardo Gonçalves também divulgou o lançamento de um novo projeto com mais ou menos dez músicas a ser lançado também no mês de dezembro. A declaração foi dada pelo cantor durante uma live no seu Facebook, onde pode conversar com seus fãs e esclarecer, entre outras coisas, que o projeto que ele tinha de ficar um tempo como voluntário em Israel não deu certo. 

O artista adiantou que o novo CD seguirá um pouco da linha do álbum Avinu Malkenu, lançado em 2010. “É o trabalho mais orquestral que eu já fiz, e esse é um pouquinho mais alternativo”, declarou. 

Leonardo também adiantou detalhes do projeto Terceira Margem do Rio, em parceria com Tiago Arrais, Estêvão Queiroga, Gabriel Iglesias e Felipe Valente. Terceira Margem do Rio é uma extensão da editora de mesmo nome que traz publicações de textos bíblicos, podcasts e vídeos sobre debates teológicos. 

Assista à live que o cantor realizou para anunciar o retorno à carreira musical:

17 alimentos que fazem você envelhecer 20 anos

Há diversos fatores que influenciam a forma como você envelhece – a genética, o hábito de fumar, a exposição ao sol, o seu ambiente, e muito mais. Mas o que você come tem um papel crucial na sua aparência e na maneira como você se sente conforme se torna mais velho. 

Pode parecer que a mudança acontece da noite para o dia: um dia você ouve que parece cinco anos mais jovem do que realmente é, e no seguinte ninguém estranha quando você compartilha a sua idade, mas a verdade é que nossas escolhas vão moldando a forma como envelhecemos dia após dia. A boa notícia é que você pode assumir o controle do que você vê no espelho. Pedimos que nutricionistas renomadas revelassem quais alimentos aceleram o surgimento das rugas, prejudicam a aparência dos dentes e da pele, e envelhecem o organismo. Confira a seguir:

1. Margarina. Esperamos que você tenha abandonado este substituto da manteiga há alguns anos. Caso contrário, fique atento! “Nem todas as gorduras são iguais, e a margarina parece dar às [outras] gorduras uma má reputação”, diz a Dra. Tasneem Bhatia, também conhecida como Dra. Taz, especialista em perda de peso e autora dos livros What Doctors Eat e The 21-Day Belly Fix. “O culpado na margarina é a gordura trans, que destrói a hidratação. Quanto menos hidratada estiver a sua pele, mais rápido surgirão as rugas.” 

2. Comida congelada. Imagine a seguinte cena: você acabou de sair da academia à noite e as suas boas intenções de cozinhar um jantar saudável parecem ter se esvaído do seu corpo. Sem energia, você pensa em um jantar rápido, mas considere o seguinte antes de apelar para o micro-ondas: “Refeições congeladas são reconhecidas por seu altíssimo teor de sódio. O sódio favorece a retenção de líquidos e promove uma aparência inchada e envelhecida”, diz Kayleen St. John, nutricionista do Natural Gourmet Institute, uma escola de culinária saudável de Nova Iorque, EUA. 

3. Bebidas energéticas. O seu hábito de tomar algumas latas de Red Bull não vai ajudar a sua aparência com o passar dos anos. “Os energéticos são muito ácidos e ricos em açúcar, podendo danificar os dentes e deixando-os mais suscetíveis a manchas que irão envelhecer o seu sorriso. Além disso, seu alto teor de sódio e cafeína pode levar à desidratação, especialmente se você os estiver ingerindo no lugar da água, diz Sarah-Jane Bedwell, nutricionista de Nashville, Estados Unidos, e autora de Schedule Me Skinny: Plan to Lose Weight and Keep it Off in Just 30 Minutes a Week. “Como a desidratação é um dos principais fatores que contribuem para uma pele com aparência envelhecida, tente sempre tomar de 8 a 10 copos de água por dia.”

4. Pães, bolos e doces. Detestamos ter que fazer esta recomendação, mas precisamos pedir que você se afaste da padaria. “Pães, bolos e doces costumam ser ricos em açúcar adicionado e gordura, que podem levar ao ganho de peso e prejudicar a saúde dental”, diz Alexandra Miller, nutricionista corporativa da Medifast. “O açúcar promove um microbioma prejudicial e pouco saudável, que também favorece a inflamação. Todas essas características podem acelerar o processo de envelhecimento”, ela complementa. 

5. Bacon, presunto, salsicha e linguiça. “Os conservantes usados nas carnes processadas podem criar radicais livres no corpo”, diz Lisa Hayim, nutricionista fundadora do The Well Necessities. “Os radicais livres levam à oxidação das suas células e do DNA, e podem favorecer o surgimento de câncer e outras condições de saúde.” Não, obrigado!

6. Açúcar. “Embora existam diversos estudos inconclusivos tentando identificar se o açúcar causa ou não acne, o fato é que ele é simplesmente prejudicial para o seu corpo como um todo”, afirma a Dra. Taz. “O açúcar causa inflamação, um grande inibidor de uma pele bonita e saudável. Para piorar a situação, ele também prejudica o colágeno e a elastina, responsáveis por manter a pele macia e flexível.” Sabemos que açúcar e doces são tentadores, mas vale a pena evitá-los pela sua saúde.

7. Bebidas alcoólicas ricas em açúcar. “Quando o açúcar refinado é consumido em excesso, as moléculas de açúcar se combinam com as proteínas no corpo e criam compostos que podem prejudicar o colágeno, favorecendo o envelhecimento”, explica Bedwell. “Essas bebidas doces podem ter até 50g de açúcar adicionado em um único drinque! Além disso, o álcool presente nelas pode desidratar o organismo, fazendo com que linhas de expressão e rugas fiquem mais aparentes.”

8. Álcool. “Beber excessivamente, especialmente drinques ricos em açúcar, causam radicais livres. O álcool também rouba a vitamina A do corpo, um antioxidante essencial para a renovação celular”, diz a Dra. Taz. 

9. Alimentos ricos em sal. A sua pele pediu: por favor esqueça que o saleiro existe, e abandone também aquele pelotão de alimentos prontos ricos em sódio. “Alimentos com muito sódio fazem com que você retenha líquidos e fique com uma aparência inchada, e a retenção também pode fazer com que a pele ganhe um aspecto cansado”, diz Orlick Levy. A Dra. Taz acrescenta que “[alimentos ricos em sal] promovem a desidratação, e alguns estudos encontraram evidências de que eles podem prejudicar o DNA, reduzindo o comprimento dos telômeros e acelerando o envelhecimento.” 

10. Frituras. Todos nós sabemos que os alimentos fritos são muito prejudiciais para a saúde do organismo. “Quando fazemos frituras, expomos o óleo e o alimento a temperaturas extremamente altas. Quando isso acontece, os radicais livres, principais culpados pelo envelhecimento, são formados”, diz Hayim. “Esses alimentos não prejudicam apenas a aparência, mas também causam danos aos nossos órgãos internos.”

11. Fast Food. “Os restaurantes geralmente usam óleo de milho, uma das opções menos saudáveis”, diz Orlick Levy. “Quando consumido, ele libera radicais livres no corpo. Eles causam um estresse oxidativo que tem inúmeros efeitos na saúde e no bem-estar, incluindo doenças cardíacas e rugas.” 

12. Gordura trans. A gordura trans faz tão mal para o seu jeans skinny quanto para as células da sua pele. “Gorduras que foram hidrogenadas artificialmente estão entre as substâncias mais inflamatórias que existem”, diz St. John. “As gorduras trans podem até tornar a nossa pele mais suscetível a danos causados pelos raios ultravioleta.”

13. Balas, bombons e chocolates. “O açúcar processado é rapidamente absorvido no organismo e pode levar a níveis mais altos de insulina e ao ganho de peso”, diz St. John. “Além disso, consumir esses doces com frequência pode afetar negativamente a saúde dental, e nada envelhece mais a aparência do que um sorriso amarelado – ou com dentes faltando!” 

14. Carne carbonizada. A carne queimada pode ser uma das suas preferidas, mas há uma excelente razão para evitá-la ao máximo. “A carne que foi cozida até ficar preta é muito inflamatória para o corpo”, St. John explica. “A inflamação pode prejudicar os níveis de colágeno na pele, levando a uma aparência envelhecida”, ela continua. [E como a mal passada também é prejudicial, que tal deixar a carne de lado?]

15. Receitas flambadas. O álcool, necessário para flambar os alimentos, dá início a uma reação em cadeia de problemas: “O consumo de álcool leva à produção de espécies reativas de oxigênio”, afirma Hayim. “Altos níveis dessa substância levam ao estresse oxidativo, que pode provocar danos severos em nosso corpo. Embora seja fácil identificar o álcool quando ele está em uma bebida, não é tão simples monitorar seu consumo quando ele está nos alimentos. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos alerta que ‘alimentos flambados com álcool ainda retêm 75% do álcool adicionado na receita’.”

16. Batata chips. Se você quer algo crocante, experimente petiscos de cereais integrais ou vegetais como o aipo e a cenoura – pois as batatas chips irão secar a sua fonte da juventude interna rapidamente. “Consumir ácidos ricos em gordura trans estimula a interleucina 6 no corpo”, explica Hayim. Inter o quê? “A interleucina 6 é um marcador da inflamação, associada ao envelhecimento. Além disso, os óleos usados na fritura, mesmo que sejam óleos vegetais, podem prejudicar a respiração celular e reduzir a imunidade no organismo.”

17. Pizza de pepperoni. “Os nitratos e outros compostos presentes nas carnes processadas, como o pepperoni, são conhecidos por sua ação pró-inflamatória. A inflamação faz com que o corpo envelheça de dentro para fora”, diz Bedwell. “Além disso, a gordura saturada presente nelas envelhece o coração. Escolha pizzas sem carne – há muitas opções de sabores vegetarianos!”

"Se já houve um tempo em que o regime alimentar deveria ser da espécie mais simples, esse tempo é agora." (Ellen G. White - Conselhos sobre o Regime Alimentar, p. 82)

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Black Friday: oportunidade ou armadilha?

Para aumentar as vendas, o comércio utiliza o marketing para criar uma necessidade ou uma oportunidade psicológica para que o consumidor adquira um produto. Essa estratégia funciona, pois existe um crescimento real das vendas de varejo, assim como um aumento das dívidas na família.

Há menos de 10 anos, o mês de novembro era tido pelo brasileiro como um mês de planejamento para as despesas de fim de ano, como o Natal, festas de Ano Novo, férias, matrículas escolares, etc. Então surgiu nos Estados Unidos a Black Friday, dia em que se promete grandes promoções.

De lá, a data ganhou o mundo e levou vários países a adotá-la, criando a ideia de que estamos economizando ou ganhando dinheiro através da compra dos produtos ofertados. Será que esta ocasião é realmente uma oportunidade ou apenas mais uma armadilha para contrair dívidas?

Alguns pontos devem ser observados. Existe a real necessidade de adquirir o produto ofertado? Se houver, compre, mas não entre em dívida. Compre à vista. O valor ofertado realmente está com desconto? Ultimamente, muitos consumidores verificaram que alguns estabelecimentos elevam os preços de seus produtos uma semana ou alguns dias antes da Black Friday, e então no dia esperado, baixam os preços afirmando ser uma promoção. Se existe necessidade da compra do produto, comece a pesquisa de preços com antecedência e então compare com o ofertado no dia da Black Friday.

Há necessidade? O preço do produto realmente foi reduzido? Você planejou o quanto poderá gastar? Então siga em frente, mas não seja descuidado com as despesas que ocorrem no final de ano e também no início dele, como os impostos de IPTU e IPVA. Planejar é a solução para não entrar nessa armadilha.

Pés no chão
Uma vez que a decisão pela compra de um produto foi planejada dentro da capacidade financeira pessoal ou familiar, surge outra questão: de quem comprar? Pesquise os valores entre empresas concorrentes e, caso decida pela compra online, lembre-se de que, normalmente em grandes eventos promocionais, aparecem sites falsos para ludibriar os compradores.

Por isso opte por sites de sua confiança. Escolha empresas que tenham lojas físicas, endereço, telefone, serviço de atendimento ao consumidor (SAC), pois se acontecer alguma avaria na compra ou desistência da mesma, você terá contatos para cancelar ou trocar o produto. Desconfie de sites que vendem apenas por depósito ou boleto, uma vez que a solicitação do estorno deste tipo de pagamento é muito mais difícil.

Outro detalhe a ser considerado é o tempo de entrega do produto. Caso a intenção da compra seja presentear alguém, esteja atento ao prazo antes de fechar negócio. Verifique se a pessoa presenteada terá condição para trocar o produto, caso haja necessidade.

Ao entendermos as necessidades reais e as criadas, teremos condições de tomar a melhor decisão sem que estejamos condicionados a datas especificas. Nunca seja apressado ao verificar os detalhes da compra. Leia todas as informações disponíveis sobre o produto e a empresa para fazer um negócio seguro e que lhe traga satisfação.

Paulo Coelho (via Finanças em Dia) (Título original "Black Friday: Pare e compare")

Cristãos sólidos em uma modernidade líquida

Apesar do termo "pós-modernidade" ser o mais usado para se referir ao tempo presente em que vivemos, seja como ruptura (anti-modernidade) ou como continuidade (sobre-modernidade) do projeto modernista, o sociólogo polonês Zygmunt Bauman, falecido em janeiro deste ano, aos 91 anos, utilizava outra expressão para se referir a esse contexto atual: modernidade líquida. Bauman dizia que a antiga modernidade era caracterizada pela sua solidez (modernidade sólida), com seu conjunto fixo de valores. Já o tempo atual (modernidade líquida) é caracterizado pela volatilidade, pela grande possibilidade de adaptações e pela instabilidade. Ele escreve:
"Os fluidos se movem facilmente. Eles fluem, escorrem, esvaem-se, respingam, transbordam, vazam, inundam, borrifam, pingam; são filtrados, destilados; diferentemente dos sólidos, não são facilmente contidos – contornam certos obstáculos, dissolvem outros e invadem ou inundam seu caminho. Do encontro com sólidos emergem intactos, enquanto os sólidos que se encontraram, se permanecem sólidos, são alterados – ficam molhados ou encharcados. A extraordinárias mobilidade dos fluidos é o que os associa à ideia de leveza (…) Associamos “leveza” ou “ausência de peso” à mobilidade e à inconstância: sabemos pela prática que quanto mais leve viajamos, com maior facilidade e rapidez nos movemos."
Bauman realmente utilizou as palavras ideais para diferenciar a modernidade da pós-modernidade. Hoje, dentro da esfera social, não se concebe a rigidez de valores absolutos e da identidade autônoma de pensamento. É sólido demais. Ao contrário, precisamos ser como a água: inconstantes, flexíveis e adaptáveis a tudo quanto se nos apresenta.

Esse é o problema dos cristãos hoje. Somos como uma barra de ferro dentro de uma bacia d'água. Blocos de aço imersos no mar. As ondas batem e continuamos parados. A maré vem, mas não mudamos. E isso incomoda as “porções da água”. Afinal, não “fluímos”, não “pingamos” e não “destilamos” conforme eles querem. Somos assim. Aço incomodando o líquido. 

E esse é o chamado do cristão:
"Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor." (1 Corintios 15:58)
“E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa agradável e perfeita vontade de Deus.” (Romanos 12:2)
Por outro lado, esse mesmo mundo líquido carece da água verdadeira: Cristo!

Valmir Nascimento (via Como Viveremos)
"Como um povo, devemos estar firmes sobre a plataforma da verdade eterna, que resistiu a todas as provas. Devemos ater-nos aos seguros pilares de nossa fé. Os princípios da verdade que Deus nos revelou, são nossos únicos, fiéis alicerces. Eles é que fizeram de nós o que somos." (Ellen G. White - Mensagens Escolhidas, vol. 1, p. 201)

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

7 maneiras de expulsar os visitantes das igrejas

Aqui estão algumas dicas práticas do pastor Emilio Abdala, evangelista e coordenador de Missão Global da União Central Brasileira da Igreja Adventista do Sétimo Dia, a serem consideradas por uma igreja que considera melhorar a qualidade na recepção e assimilação dos visitantes.

1. Elas não são amigáveis ​​com os novos visitantes
A maioria dos visitantes forma uma impressão sobre a igreja dentro dos primeiros 10 minutos de sua visita. É muito importante que eles sejam calorosamente recebidos quando chegarem e sejam guiados para um lugar apropriado. E a atenção dada pelos recepcionistas não substitui a atenção individual dos membros. Há dois momentos de tensão em sua experiência de contato com a igreja: quando eles entram no edifício e quando saem. Esse segundo momento é o mais negligenciado. É aqui que os membros se juntam em seus grupos e os visitantes acabam saindo sem atenção.

2. Elas são excessivamente amigáveis ​​para os novos visitantes
Os visitantes gostam da atenção pessoal dos membros, mas não valorizam atenção pública. Os extrovertidos podem até não se importar com adesivos colados em sua roupa, em se levantar para dizer seu nome, mas os introvertidos (eu me identifico aqui) preferem a anônima privacidade. Tenha em mente que a maioria dos visitantes de sua igreja está inicialmente explorando sua comunidade. Alguns gostam de participar de um pequeno grupo e de atenções e outros simplesmente preferem observar antes de participar. Evite constranger as pessoas que visitam a sua igreja pela primeira vez colocando-as no foco das atenções.

3. Não existe fontes de informação
Torne o quanto possível fácil para um visitante obter mais informações sobre a igreja ou sobre como se conectar com uma atividade ou ministério da igreja que atenda sua necessidade. Certifique-se de que exista um lugar ou uma mesa onde um visitante possa obter informações ou folhetos. Você também pode considerar colocar informações em alguns dos assentos ou nos compartimentos atrás de cada banco. Pelo menos, mostre o website da sua igreja na tela durante o tempo do anúncio.

4. O serviço de culto é mal executado
Aproveite o tempo para treinar adequadamente seus voluntários com os equipamentos de iluminação e som. Os músicos estão preparados para os serviços do sábado ou domingo à noite? Se não, considere implementar uma prática de ensaios durante a semana ou na manhã antes do programa. Certifique-se de que todos conhecem suas dicas de transição ao entrar e sair da plataforma para evitar momentos mortos. Não custa investir qualquer dinheiro extra para fazer as coisas bem.

5. Há muito foco nos “assuntos da igreja”
De vez em quando, é necessário que uma igreja reserve algum momento para leitura de atas da comissão ou anúncios de suas atividades em um culto de adoração. Este pode ser um anúncio sobre um próximo evento ou sobre o funcionamento de determinado departamento ou ministério. Mas certifique-se que isto não ocupe uma grande parte do serviço ou seja uma ocorrência semanal. Os visitantes não são emocionalmente preparados para entender os conflitos e problemas da igreja e podem sentir que esses anúncios estão fora de lugar.

6. Eles se sentem pressionados durante a oferta
Dar é uma parte importante e necessária da igreja. Não é apenas bíblica, mas também é uma prática espiritual maravilhosa para os membros da igreja. Quando bem feito, esse momento constrói a comunidade e encoraja a generosidade fora dos muros da igreja. Mas certifique-se de que a maneira pela qual sua igreja pede as ofertas não é uma prática estranha ou igual a determinados pastores da mídia. Um visitante não deve sentir a obrigação de dar.

7. Eles não são assimilados na igreja
Igrejas que assimilam os visitantes, geralmente fazem uma visita ou uma ligação telefônica dentro de 48 horas (recomenda-se que esse primeiro contato seja feito por telefone ao invés de pessoalmente). Deve ser um breve contato para fazer o visitante saber que a igreja apreciou sua presença e perguntar-lhe se existe algo que a igreja possa fazer para ajudá-lo. O propósito desse contato é familiarizar e encorajar o visitante a retornar uma segunda vez. Não se deve tentar evangelizar nesse primeiro contato.

Se o visitante retornar, um segundo contato deve ser feito, agora através de uma visita feita preferencialmente por membros leigos da mesma idade. Um casal idoso visitando um casal jovem não ajuda a construir relacionamentos nesse estágio inicial de seu envolvimento com a igreja. Deve-se encorajar o visitante a se envolver em alguma atividade da igreja. Se eles cantam, convide-os a se unirem a um grupo musical. Se eles têm crianças, matricule-as no Clube de Desbravadores. Caso tenham interesse em estudar temas especializados do interesse do casal, sugira um pequeno grupo para ajudá-los a ter companheirismo com outros casais da igreja. Se eles não são adventistas, ofereça-lhes um estudo bíblico nesse ponto. Lembre-se que as pessoas precisam integrar-se a outras pessoas antes que se sintam parte da igreja. Temos de entender que conhecer doutrinas não é a única coisa importante para alguém que se une à igreja.

E agora, como você vai se preparar para receber seus visitantes neste final de semana? [UCB]

Dia da Consciência Negra - Grandes Negros Adventistas

O Brasil foi construído a partir do sofrimento, da tortura e da morte promovida por um regime de escravidão que durou 388 anos e que custou o sequestro e o assassinato de aproximadamente 7 milhões de seres humanos africanos e outros tantos milhões de seus descendentes. Hoje, o Brasil celebra o Dia da Consciência Negra para relembrar a luta de Zumbi dos Palmares contra a escravidão no país. Mas acima de tudo, é um dia de reflexão e busca de novas formas para enfrentar o racismo que, infelizmente ainda hoje dificulta e tira a vida de mulheres e homens em todo o país.

Lembrando que em Cristo, todos os muros separatistas ruíram, e que homens e mulheres, brancos, negros e mestiços, empregados e patrões, índios e ameríndios, sacerdotes e leigos, somos todos iguais (Gálatas 3:28).
Diferentes na cor da pele, ou nos papéis que desempenhamos, mas iguais em dignidade perante Deus e nossos semelhantes, as Escrituras ensinam claramente que todas as pessoas foram criadas à imagem de Deus, que “de um só fez toda a geração dos homens, para habitar sobre toda a face da Terra” (Atos 17:26). A discriminação racial é uma ofensa contra seres humanos iguais, que foram criados à imagem de Deus. Conforme lemos na Declaração da Igreja Adventista sobre o Racismo, "o racismo está entre os piores dos arraigados preconceitos que caracterizam seres humanos pecaminosos. Suas consequências são geralmente devastadoras, porque o racismo facilmente torna-se permanentemente institucionalizado e legalizado. Em suas manifestações extremas, ele pode levar à perseguição sistemática e mesmo ao genocídio."

A norma para os adventistas está reconhecida na Crença Fundamental nº 14 da Igreja, “Unidade no Corpo de Cristo”, baseada na Bíblia. Ali é salientado: “Em Cristo somos uma nova criação; distinções de raça, cultura e nacionalidade, e diferenças entre altos e baixos, ricos e pobres, homens e mulheres, não deve ser motivo de dissenções entre nós. Todos somos iguais em Cristo, o qual por um só Espírito nos uniu numa comunhão com Ele e uns com os outros; devemos servir e ser servidos sem parcialidade ou restrição.” Qualquer outra abordagem destrói o âmago do evangelho cristão.

No vídeo "Os adventistas e o Racismo", o pastor Erton Köhler, presidente da Igreja para oito países sul-americanos, diz que o racismo “é considerado pecado aos olhos de Deus”. Em outro trecho, ele afirma que “como Igreja Adventista do Sétimo Dia, nós condenamos todas as formas de racismo, inclusive a atuação política do apartheid com sua segregação formada e discriminação legalizada”.

Grandes negros adventistas

Charles M. Kinny

Charles M. Kinny (1855-1951) foi o primeiro pastor negro ordenado da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Nasceu escravo, em Richmond, Virgínia, em 1855. Ele tinha dez anos, no final da Guerra Civil, e como um homem jovem, trabalhou na parte mais rudimentar da cidade de Reno, Nevada. Foi lá, em 1878, que ele assistiu a uma série de palestras evangelísticas por J. N. Loughborough. Durante estas palestras, Ellen G. White visitou Reno, e em 30 de julho, ela pregou à multidão de Loughborough para mais de 400 pessoas. Kinny nunca se esqueceu daquele sermão. Ele aceitou a mensagem adventista e foi batizado no último dia de setembro de 1878.

Anna Knight

Anna Knight (1874-1972) estudou no Battle Creek College, graduando-se como enfermeira. Em 1898, ela foi para Jasper County, Mississippi, onde trabalhou na área de temperança e fundou uma escola para os negros. 

Em 1901, ela viajou para a Índia como missionária, servindo por seis anos. 

Ela voltou para casa nos EUA e, em 1913, tornou-se Secretária de Missões da Conferência da União Sudeste. Seis anos mais tarde foi colocada no comando do Departamento de Missões. Ela manteve essa posição até sua aposentadoria em 1945.

Sojourner Truth

Sojourner Truth, nascida Isabella Baumfree por volta de 1797 em Swartekill, Nova Iorque, na condição de escrava, foi uma empregada doméstica e palestrante estadunidense. Ela fugiu para o Canadá em 1827, levando com ela o seu filho mais novo. Em 1829 regressou a Nova Iorque, após a abolição da escravatura nesse estado. Durante mais de uma década trabalhou como empregada doméstica. Nesse período de tempo juntou-se a Elijah Pierson, dando sermões evangélicos nas ruas.

Mais tarde tornou-se uma oradora famosa na defesa do abolicionismo e dos direitos das mulheres, sendo particularmente lembrada pelo célebre discurso 'Ain't I a Woman?'.

Em 1841, mudou-se para Northampton, no Massachusetts, juntando-se a uma comunidade utópica (a Northampton Association of Education and Industry). Quando a comunidade encerrou, ela permaneceu em Florence, no Massachusetts, onde trabalhou com Olive Gilbert na produção da auto-biografia Narrative of Sojourner Truth: A Northern Slave. Em 1857, Truth mudou-se para o Michigan, e aí continuou a defender os seus ideais. Depois da Proclamação de Emancipação mudou-se para Washington DC, onde conheceu o presidente Abraham Lincoln. Em 1867, voltou para Michigan e morreu na sua casa em Battle Creek (no dia 26 de novembro de 1883). 

Paul Rusesabagina

Paul Rusesabagina, nascido em 15 de Junho de 1954, é um cidadão de Ruanda internacionalmente reconhecido pela sua atuação humanitária durante o Genocídio de Ruanda em 1994. Paul era da etnia hutu enquanto sua mulher era da etnia tutsi. Durante os combates, ele abriga sua família no hotel Les Mille Collines em Kigali, de propridade do grupo belga Sabena, onde era gerente. Com a saída dos hóspedes do hotel, Paul o abre aos refugiados, salvando assim mais de 800 pessoas.

A história de Paul Rusesabagina ficou internacionalmente conhecida quando foi retratada no filme Hotel Ruanda de 2004, com atuação de Don Cheadle, nomeado ao Oscar. Em 2005, recebeu do presidente americano George W. Bush a "Presidential Medal of Freedom" dos EUA. Atualmente ele vive em Kraainem, na Bélgica com sua esposa Tatiana, seus filhos e seus sobrinhos, onde montou uma empresa de transportes.

Barry C. Black

Barry C. Black, nascido em 1 de novembro de 1948, é o 62º capelão do Senado dos Estados Unidos. Ele foi eleito para este cargo em 27 de junho de 2003, e se tornou o primeiro afro-americano e o primeiro Adventista do Sétimo Dia a ocupar este cargo. Ele serviu por mais de 27 anos como capelão na Marinha dos Estados Unidos, chegando ao posto de contra-almirante e terminando sua carreira como chefe dos capelães da Marinha dos Estados Unidos. Ele se aposentou oficialmente da Marinha em 15 de agosto de 2003. O compromisso de Barry Black como capelão do Senado dos Estados Unidos era só o mais recente passo em uma rota longa e inesperada que Deus tinha lhe trazido. 

Da educação dele em um colégio interno em Baltimore, Maryland, Barry Black tinha estudado em duas escolas historicamente para negros, Academia de Forja Pínea, na Pennsylvania e Faculdade de Oakwood, no Alabama, para se tornar um pastor. Ele era pastor na Carolina do Norte quando conheceu alguns marinheiros que tinham dirigido milhas para comparecer à igreja dele. Eles disseram que não havia nenhum capelão preto na base naval. Black gostou da ideia de ajudar aquela necessidade. Ele só queria ajudar como capelão, mas acabou subindo ao grau de almirante e comandante. Agora, aposentado, ele só quer servir a Deus como um pastor e ajudar a conduzir outros a Cristo.

Patrick Allen

Patrick Allen nasceu em Portland em 1951. Em 06 de fevereiro de 2009, Allen tornou-se o sexto governador-geral da Jamaica, desde a sua independência em 1962.

O ex-presidente da União das Índias Ocidentais da Igreja Adventista do Sétimo Dia foi nomeado cavaleiro pela rainha Elizabeth II em 12 de junho de 2009.


Baraka Muganda

Baraka Muganda já trabalhou em todos os níveis da Organização Adventista. Atualmente é vice-presidente de ministério da Universidade Adventista de Washington. Foi diretor do Departamento de Jovens da Associação Geral (1995-2010). Muganda é africano, nascido na Tanzânia, e  é casado com Anna Martin, que também serviu a Associação Geral, nos Estados Unidos, com quem tem três filhas: Diana, Tanya e Anita. O pastor é comumente definido como um homem de família e amante da juventude da Igreja. 

Em 1973, graduou-se no curso de Teologia pelo Colégio Solusi, no Zimbábue. Na sequência, seguiu para os Estados Unidos onde cursou mestrado em Religião pela Andrews University, em Michigan, concluindo esta etapa em 1980. Em 1983 concluiu o doutorado em Educação pela mesma universidade.

Benjamin S. Carson

Benjamin Solomon Carson (Detroit, 18 de setembro de 1951) é um neurocirurgião pediátrico, psicólogo, escritor, professor, filantropo e político estadunidense. Filiado ao Partido Republicano, é o atual Secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano dos Estados Unidos.

Formado nas Universidades Yale e de Michigan, escreveu diversos livros (veja aqui) sobre sua carreira médica e suas posições políticas. O filme Gifted Hands (Mãos Talentosas, no Brasil), estrelado por Cuba Gooding Jr., é baseado nele.

Foi diretor do Departamento de Neurocirurgia Pediátrica do Hospital Johns Hopkins de 1984 a 2013. Como pioneiro, em 1987, Dr. Carson entrou para a história da medicina ao separar gêmeos siameses unidos pela cabeça, um procedimento que levou cinco meses de planejamento, 22 horas na execução, e mais 4 horas de descanso para falar sobre a cirurgia para a imprensa, envolvendo 50 médicos, enfermeiros e técnicos. Em 2008, foi condecorado com a Medalha Presidencial da Liberdade, a maior honraria civil dos Estados Unidos, pelo então presidente George W. Bush.

Em maio de 2015, anunciou sua participação nas primárias da eleição presidencial de 2016 pelo Partido Republicano. Contudo, em março de 2016 suspendeu sua campanha e, em seguida, anunciou seu apoio à candidatura de Donald Trump. Foi nomeado secretário do Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano dos Estados Unidos pelo presidente Donald Trump, indicação que foi aprovada pelo Senado americano em 2 de março de 2017.

domingo, 19 de novembro de 2017

19 de novembro: Qual é a sua bandeira?

A história nos conta que a bandeira foi inventada na Idade Média, onde os exércitos começaram a utilizar pedaços de pano com suas cores, para não se confundirem uns com os outros. Pequenas tiras de tecidos eram amarradas em varetas retiradas das árvores, hasteadas em locais visíveis. Aos poucos foram sendo aperfeiçoadas, tornando-se mais bonitas e com símbolos específicos.

No Brasil, existe um dia especial para se comemorar o Dia da Bandeira, que é 19 de novembro, devido à bandeira de nosso país ter sido criada nesta data, no ano de 1889, quatro dias após a Proclamação da República de nosso país.

A bandeira é a identidade de alguém, de um povo, de um movimento. Quando vemos a bandeira que alguém carrega, literalmente falando, ou bandeira essa defendida por suas filosofias e idéias, conseguimos identificá-lo. Atualmente vemos tantas bandeiras, tantas grupos e idéias diferentes que às vezes ficamos perdidos no meio delas. Quando alguém levanta uma bandeira, levanta junto tudo que está implícito naquela bandeira, tudo aquilo que ela representa.

Moisés edificou um altar ao Senhor e o chamou de "O Senhor é Minha Bandeira" (Êx 17:15), ou seja, sua identidade era marcada pelo Senhor e também queria deixar claro que à sua frente estava o Senhor, a vontade dEle e não a sua. Portanto, que a nossa bandeira seja o SENHOR e que possamos hastear a bandeira do Reino de Deus acima de tudo aquilo que é impuro, carnal e passageiro. E, quando Jesus vier para os Seus, não terá problemas em nos reconhecer. Nossa bandeira estará clara!